Publicado em Durante², Segunda Vez: Holanda, Viagens²

Viagem: Budapeste, Viena e Frankfurt (Parte 2)

Sexta – 07 de Novembro de 2014

Querido Diário,

Finalmente irei falar da viagem agora, que começou na Segunda, dia 20 de Outubro. Saímos de avião de Eindhoven para Budapeste pela WizzAir, o voo teve mais ou menos 1h30 de duração e chegamos à noite em Budapeste. Do aeroporto fomos direto pro hostel e não fizemos nada nessa primeira noite a não ser comer e usar a internet. Na hora do check in a moça da recepção nos deu um mapa da cidade e dicas de onde ir e como chegar lá, o que é sempre muito útil.

Na Terça nós saímos pra andar pela cidade. E pense como andamos, ficamos mais ou menos umas 6h rodando por aí. A temperatura estava boa, passei o dia todo de camisa de manga curta e, lá pela metade do dia, fez até um calorzinho. Mas então, saímos do hostel e pegamos um metrô pro Parque da Cidade. Descemos e fomos pro Castelo Vajdahunyad, que é onde tem a estátua Anonymus (do escultor Miklós Ligeti) e onde fica o maior museu de agricultura da Europa. Não entramos no museu, só passeamos pelo lado de fora mesmo. E esse castelo foi projetado pelo Ignác Alpár e tem partes de vários períodos no tempo, por isso possui diferentes estilos arquitetônicos.

De lá nós fomos pra famosa Praça dos Heróis, que tem o Millenium Monument bem no centro, com o arcanjo Gabriel no topo. A praça ainda é cercada por estátuas de homens famosos que marcaram a história do país. De um lado da praça ainda tem o Museu de Belas Artes, e do outro lado está o Palácio da Arte. Também não entramos em nenhum.

Seguimos então pela Avenida Andrássy em direção ao centro e passamos em frente à Casa do Terror, um museu que tem exibições relacionadas ao regimes fascista e comunista na Hungria e que também serve como memorial às vítimas desses regimes. Como disse, só passamos em frente, mas uma amiga foi e disse que é bem interessante lá dentro.

Como passamos pela Oktogon, resolvemos fazer uma parada no hostel pra usar banheiro e encher as garrafas com água. De lá continuamos seguindo a avenida até a Casa de Ópera. Mais uma vez, não entramos, mas sei que eles oferecem tours (pagos) e em Inglês. A caminhada do Parque da Cidade até a Casa de Ópera durou por volta de 2h. E foi interessante que, quando a gente chegou lá, uma senhora abordou a gente na rua perguntando se éramos turistas e nós deu dois mapinhas de bolso! Achei fantástico haha

Estávamos já com dois mapas, mas mesmo assim ainda conseguimos pegar um da moça que vendia aqueles Hop On Hop Off tours. A gente teve que se fingir de interessada no tour antes, claro, com direito a perguntas e tudo o mais. O interessante desses mapas é que eles mostram a rota dos ônibus e os pontos turísticos importantes da cidade. Mesmo que você não queira pegar o ônibus, ainda pode usar o mapa como guia.

Passamos em frente à Basílica de Santo Estevão, que foi nomeada em honra ao primeiro rei da Hungria, István. E depois de lá paramos num local chamado Bali Café pra almoçar. Pedimos uma panqueca de frango com molho de páprica que tava muito boa.

Vou terminar de falar sobre Budapeste no próximo post e vou dar umas dicas também. E todas as informações que passei aqui sobre os locais foi tirada da internet.

Anúncios

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s